Learning plan: O modelo de gestão de projetos inovadores


cópia de aprendizado

O processo de inovação envolve incerteza, imprevisibilidade e risco. A geração de ideias ou modelos de negócios inovadores é o “front-end” da inovação. Quanto mais qualificados os insights iniciais melhor. Há diferentes técnicas como design thinking, brainstorming, etnografia, pesquisas de mercado entre outras que podem lhe ajudar a capturar insights e gerar ideias. Mas a inovação não se resume a isso. É um jogo mais complexo.

Na última semana coordenamos um workshop de inovação com uma multinacional com atuação em dezenas de países. Reconhecida por suas marcas. Dona de ativos únicos e valiosos. Foi uma experiência muito interessante. Trabalhamos junto com 15 executivos com o objetivo de gerar modelos de negócios inovadores para um tema estratégico para a companhia.

O grupo concebeu uma dezena de potenciais novos modelos de negócios. Usamos o business model canvas, ferramenta bastante disseminada entre start ups mas que começa a ganhar espaço nas grandes empresas. Mas e depois de ter gerado as ideias? O que deve fazer um grupo de executivos que tem na mão um potencial modelo de negócio inovador?

Em uma multinacional, líder de seu setor, gerenciada por executivos experientes, com reports múltiplos, locais, regionais e internacionais, o instrumento básico de alocação de recursos é o business case. Já falamos sobre ele outras vezes.

O business case

O business case é o desenho de uma proposta de algo para o negócio. Pode ser um novo produto, um novo processo, um ajuste de uma política interna ou o reposicionamento de uma categoria de produtos. Normalmente o business case contem uma análise da atratividade e viabilidade, contendo informações que sustentem a “tese” dessa iniciativa, consubstanciada em uma analise de retorno do investimento.

Para os especialistas, o business case é uma forma profissional de justificar o investimento e aprovar um projeto que agrega valor ao negócio da empresa. O business case é uma ferramenta bastante adequada para a gestão, captação de recursos e sustentação de oportunidades conhecidas pela organização. Nessas condições ele é uma ótima jogada.

Em condições de incerteza, onde você se encontra quando pretende inovar, há hipóteses mais do que certezas. Há muito “achismo” também. Não reconhecer isso é o primeiro passo para reduzir as chances de êxito do novo negócio. A única coisa que a empresa não precisa é de um business case que prometa previsibilidade para só depois frustrar a todos por falta de embasamento e contato com a realidade volátil e mutante ou que prenda a organização a um caminho predeterminado cedo demais.

A culpa não é do executivo. É da metodologia e do sistema. Não adianta traçar 3 cenários como gostam os financeiros. Os cenários estabelecem um caminho quando ainda não há sequer entendimento da viagem. O que a empresa precisa é de um “learning plan”.

O learning plan

Um plano para aprender o que não está claro. Para organizar a busca de informações. Escolher os métodos de coleta. Priorizar os temas mais prementes e estratégicos. Testar as premissas. Executar pilotos. Desenvolver prototipos. Buscar validação com consumidores e usuários.

Enfim, aprender com baixo custo, o mais rápido possível, antes de comprometer recursos significativos.

O learning plan é um conjunto organizado de ações de ganho de previsibilidade, priorizadas conforme o impacto potencial na inovação para cada uma das principais dimensões de seu novo modelo de negócio.

O learning plan está estruturado em função de ações, que respondem incertezas chave da reinvenção do modelo, classificadas em função do impacto potencial, prioridade e cronograma, usando diferentes métodos de aprendizagem.

  • Classificação de Incertezas: Contém a listagem das principais incertezas do modelo de negócio classificadas nas dimensões do modelo de negócio
  • Métodos de aprendizagem: Seleção do método de aprendizagem mais adequado. Algumas incertezas são facilmente testadas quando há dados facilmente acessíveis. Algumas incertezas são melhor abordadas com hipóteses driven abordagens enquanto que ouros por modelo de exploração geral. Determinadas questões podem ser respondidas por pesquisas quantitativas de mercado no modelo survey, enquanto que outras precisam de um protótipo. Algumas vezes fazer um vídeo como fez o Dropbox em seu processo de identificação de demanda pode ser útil. Noutras será necessário um experimento filmado num ponto de venda para analisar respostas do consumidor para uma determinada nova abordagem de atendimento. Em temas técnicos pode ser necessária uma pesquisa cientifica ou mesmo a fabricação em pequena escala de determinado componente. Os métodos de aprendizagem envolvem formas distintas de sistematicamente aprender sobre as diferentes inceterzas dadas as necessidades e viabilidade econômica.
  • Impacto potencial: Dimensiona o impacto que uma reversão da aposta para determinadas incertezas do modelo de negócio são mais significativas no resultado potencial
  • Prioridade: Organiza a ordem de prioridade na testagem para as ações definidas
  • Cronograma: Apresenta o cronograma geral do plano de aprendizado

É importante capturar insights. Gerar novas ideias. Conceber novos modelos de negócio. Mas se você não conseguir montar um plano de trabalho para aprender sobre sua potencial inovação mais rápido e baixo custo, sua ideia irá ficar pelo caminho.

Quando as condições são incertas e há alta imprevisibilidade, a melhor forma de gerir riscos e aumentar as chances de êxito do projeto, é elaborar, executar e aprender com um learning plan antes de comprometer grandes somas de recursos. O business case não tem sido eficiente em condições de alta incerteza. Ele cria uma falsa sensação de segurança..

Até a próxima inovação.

Maximiliano Selistre Carlomagno

Anúncios

Um comentário sobre “Learning plan: O modelo de gestão de projetos inovadores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s